STF nega prisão domiciliar a Roger Abdelmassih

O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Ricardo Lewandowski, negou, nesta segunda-feira (23), prisão domiciliar ao ex-médico Roger Abdelmassih.

Lewandowski disse que o habeas corpus impetrado pela defesa não poderia ser analisado no Supremo porque correria risco de supressão de instância; já que a defesa de Abdelmassih já havia protocolado pedido semelhante no Superior Tribunal de Justiça (STJ).

- Nego seguimento a este writ (art. 21, § 1°, do Regimento Interno do Supremo Tribunal Federal). Prejudicado o pleito cautelar, caso tenha sido requerido - escreveu.

Ele estava em prisão domiciliar, mas o Ministério Público entendeu que ele poderia voltar ao regime fechado; apesar da defesa ter alegado que ele tem comorbidades que o colocariam em “elevado risco de complicações letais”.

Roger Abdelmassih, de 78 anos, era especialista em reprodução humana e um dos pioneiros da fertilização in vitro no Brasil. Recebia pacientes de alto poder aquisitivo em seu consultório que ficava no centro de São Paulo. Mas, em 2009, foi acusado de violentar sexualmente suas pacientes enquanto estavam sob efeitos de sedativos. Por isso, foi condenado a 278 anos de prisão por 52 estupros e quatro tentativas de estupro a 39 mulheres.

Siga o Jornal O Republicano nas redes sociais:

Facebook: O Republicano | Facebook

Twitter: @_ORepublicano

Instagram: @_ORepublicano

Mostrar comentários