OAS: Justiça arquiva investigação contra Lula por tráfico de influência a favor da construtora

Quem acusava Lula pelos crimes era o ex-presidente da empresa, Léo Pinheiro, em delação premiada. O empreiteiro afirmou, em depoimento, que Lula foi contratado pela OAS para realizar uma palestra na Costa Rica e influenciar os dirigentes daquele país a fazer negócios com a construtora.

A Justiça paulista entendeu, no entanto, que não há elementos mínimos para dar continuidade à investigação e que os crimes imputados a ele já teriam prescrito.

- Decorridos mais de seis anos entre a data dos fatos (2011) e o presente momento, constata-se a prescrição da pretensão punitiva estatal de todos os delitos aqui investigados em relação a LUIZ INÁCIO LULA DA SILVA. Ainda assim - e bem como com relação aos demais investigados não se faz presente justa causa para a continuidade das investigações, diante dos parcos indícios coletados”, escreveu a juíza federal Maria Carolina Ayoub, da 9ª. Vara Federal de São Paulo.

Ao todo, a Justiça brasileira já arquivou 19 investigações instauradas pela operação da Polícia Federal “Lava Jato”.

A defesa de Lula segue afirmando que o petista sofreu perseguição procuradores, juízes, Polícia Federal e políticos opositores.

Mostrar comentários