A realidade pandêmica na visão de quem sofreu na pele com as restrições

Mateus de Mattos teve que começar do zero, levantar a cabeça e seguir em frente

A pandemia de coronavírus não levou apenas vidas, mas ceifou sonhos e defasou a economia de todo o país.

Comércios fecharam, trabalhadores perderam seus empregos e autônomos tiveram que se adequar à nova realidade. Caso de Mateus de Mattos, que após três anos trabalhando no ramo da beleza, encontrou sérias dificuldades e teve que inovar para dar seguimento ao seu trabalho.

Aos 34 anos, Mateus é especialista em cortes de cabelo, barba e estética masculina no geral. Seu trabalho tem grande engajamento nas redes sociais e uma clientela fiel que o ajudou muito durante esse período.

Morando e trabalhando na cidade de Passo Fundo, interior do Rio Grande do Sul - Estado que por duas vezes teve restrições severas - Mateus teve que “fechar” por mais de uma vez, o que resultou diretamente na queda de recursos financeiros e na troca do modo de trabalho - deixou de ser colaborador e abriu a própria empresa.

“A gente se tornou uma atividade não-essencial. Acabei tendo que fechar, o movimento diminuiu 80%. As pessoas ‘desapareceram’. Depois da reabertura as pessoas continuaram não vindo na Barbearia. [...] Se não começar as atividades novamente vai piorar muito a situação”, ressaltou.

Além de seu trabalho formal, Mateus é Barbeiro do Esporte Clube Passo Fundo, time da cidade, projeto que foi duramente afetado com a pandemia e, devido a falta de atividade nos gramados, teve que ser suspenso por enquanto.

O profissional ainda é presidente do Projeto Social ‘SOS do Bem’ que auxilia e ajuda crianças em vulnerabilidade social com alimentação, roupas, móveis e inclusive material escolar.

No Projeto Social, Mateus viu na prática as severas consequências econômicas dos últimos meses.

“A gente ajudava com uma tonelada [de alimentos] por mês. Agora passamos para cinco a dez toneladas por mês de necessidade de comida. As pessoas estão passando por uma necessidade muito maior do que já havia anteriormente”, lamentou.

Sobre o futuro, o barbeiro mostra uma grande euforia com a chegada da vacina. Mateus acredita e aposta as suas fichas para o próximo ano e deixa um recado muito esperançoso:

“Eu creio que vai ser um ano de crescimento para a sociedade, para as empresas. Vai estar todo mundo retomando e crescendo novamente.”

Siga o Jornal O Republicano nas redes sociais:

Facebook: O Republicano | Facebook

Twitter: @_ORepublicano

Instagram: @_ORepublicano

Mostrar comentários