Linda Evangelista processa empresa de estética em US$ 50 milhões: “brutalmente desfigurada”

A ex-supermodelo canadense, Linda Evangelista, de 56 anos, está processando em US$ 50 milhões uma empresa que, segundo ela, a deixou “brutalmente desfigurada” e a transformou em uma pessoa reclusa.

Linda Evangelista foi uma das modelos mais lindas das passarelas nas década de 80 e 90. Mas, ela disse, recentemente, nas redes sociais, que se submeteu a um tratamento para reduzir a gordura há cerca de cinco anos e tudo deu errado.

- Para meus seguidores que se perguntam por que não tenho trabalhado enquanto as carreiras de meus colegas estão prosperando, o motivo é que fui brutalmente desfigurada pelo procedimento, que fez o oposto do que prometia - escreveu em uma postagem na quarta-feira (22), acrescentando que sofreu um efeito colateral raro chamado hiperplasia adiposa paradoxal; desenvolvendo um inchaço nas áreas que foram tratadas.
- O PAH não apenas destruiu meu sustento, mas me levou a um ciclo de profunda depressão, profunda tristeza e para as profundezas da auto-aversão. No processo, me tornei reclusa - esclareceu.

A modelo abriu uma ação contra a A Zeltiq Aesthetics, na terça-feira (22), no tribunal federal de Nova York, por negligência, propaganda enganosa; alegando que a empresa não a alertou sobre os possíveis efeitos colaterais.

Ela tentou corrigir o inchaço, mas não teve êxito. Evangelista diz que está desempregada desde 2016 e sofre grave descontrole emocional.

Siga o Jornal O Republicano nas redes sociais:

Facebook: O Republicano | Facebook

Twitter: @_ORepublicano

Instagram: @_ORepublicano

Mostrar comentários