OAB quer que Supremo obrigue Governo Bolsonaro a continuar pagando R$ 600 em auxílio emergencial

A Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) entrou com ação no Supremo Tribunal Federal (STF), na segunda-feira (27), propondo que a Corte obrigue o Governo do presidente Jair Bolsonaro a continuar pagando R$ 600,00 de auxílio emergencial, benefício que foi concedido durante o isolamento social proposto por governadores e prefeitos para, supostamente, impedir a disseminação do coronavírus no Brasil.

Além disso, a OAB, sob comando de Felipe Santa Cruz que, por sinal, já demonstrou o desejo de vir candidato a governador do Rio de Janeiro nas eleições de 2022, também quer que a União desembolse o valor de R$ 1 bilhão para o Programa de Aquisição de Alimentos.

A lista de Santa Cruz é grande e não para por aí: volta do Conselho Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional, recomposição de orçamento para políticas públicas de segurança alimentar e nutricional, entre outras.

A Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) é uma organização responsável por representar a classe dos advogados brasileiros e é regida pelo Estatuto da Advocacia e OAB.

A instituição foi criada em 1930, durante o Governo do presidente Getúlio Vargas, e não está subordinada ao poder público. Entre as suas atribuições, está a organização do Exame da Ordem Unificado, que autoriza os bacharéis em Direito a exercerem a profissão de advogado.

Siga o Jornal O Republicano nas redes sociais:

Facebook: O Republicano | Facebook

Twitter: @_ORepublicano

Instagram: @_ORepublicano

Mostrar comentários