Instabilidade de redes sociais causa angústia profunda em usuários de plataformas

A impossibilidade de encaminhar mensagens e visualizar as redes sociais por algumas horas, como verificado nesta segunda-feira (4), fez com que mais de 2,5 milhões de brasileiros reclamassem da falta de acessos aos dados, segundo levantamento realizado pela consultoria Arquimedes.

O estudo abordou o número de vezes que as pessoas no Brasil criticaram o WhatsApp, no Twitter. As censuras ao Facebook vieram em segundo lugar no “ranking de reclamações”.

A instabilidade no WhatsApp, Facebook e Instagram causou um mal-estar tão grande entre os seu usuários que foi tema do quadro “Correspondente Médico”, desta terça-feira (5).

O neurocirurgião Fernando Gomes confirmou que um “apagão digital” equivale a uma sensação de amputação de algum membro e deixou um alerta:

- É natural que muitas pessoas de fato apresentem sofrimento - afirmou.
- Existe até um nome, não exatamente para a questão de rede social, mas quem tem medo de ficar distante do celular: nomofobia. O indivíduo chega a ter verdadeira crise, muitas pessoas precisam até fazer terapia por conta disso - completou, acrescentando que a utilização frequente das redes sociais acostuma o cérebro.
- Por isso, a gente tem essa sensação de uma amputação de poder e, com isso, o sistema límbico sofre e muitas pessoas manifestam ansiedade e decepção - conta.
- Esses instrumentos servem para facilitar nosso dia a dia. Mas, quando viram muletas que atrapalham nosso desenvolvimento, precisamos ficar atentos, porque isso pode comprometer de verdade a nossa saúde mental - avisou.

Siga o Jornal O Republicano nas redes sociais:

Facebook: O Republicano | Facebook

Twitter: @_ORepublicano

Instagram: @_ORepublicano

Mostrar comentários