Bolsonaro aceita depor presencialmente no STF para explicar aos ministros se interferiu ou não na PF

O presidente da República, Jair Bolsonaro, aceitou depor presencialmente no Supremo Tribunal Federal (STF); em virtude de um inquérito que apura suposta interferência por parte dele na direção da Polícia Federal (PF).

A Advocacia-Geral da União (AGU), que defende o presidente no processo, comunicou a decisão de Bolsonaro ao relator do caso, o ministro Alexandre de Moraes.

O chefe do Planalto só fez uma condição: que “em virtude da agenda presidencial", Moraes escolha uma data que não interfira nos compromissos do Executivo.

O inquérito sobre uma suposta interferência de Bolsonaro junto à PF foi aberto, após o ex-juiz federal e ex-Ministro da Justiça, Sérgio Moro, acusar o presidente de, supostamente, pedir a saída de um diretor do órgão. Por conta da denúncia, o vídeo de uma grande reunião ministerial foi vazado, mas nada ficou comprovado. Apenas cobranças de Bolsonaro para saber quem mandou matá-lo pouco antes das eleições de outubro de 2018.

Moro, por consequência, também é investigado por suspeita de denunciação caluniosa.

Siga o Jornal O Republicano nas redes sociais:

Facebook: O Republicano | Facebook

Twitter: @_ORepublicano

Instagram: @_ORepublicano

Mostrar comentários