Idosa mata o marido e comemora: "Se eu tivesse a chance, faria de novo. Valeria a pena"

Penélope Jackson, de 66 anos, esfaqueou e comemorou a morte do próprio marido, David, com bilhetinho que ela escreveu após o crime, ocorrido em fevereiro deste ano.

- Para quem possa interessar, eu aturei muito abuso pelos últimos anos. Basta olharem meus registros. Mas, ele (David) era um bom pai. Porém, a máscara caiu esta noite. Isso foi imperdoável. Eu aceito minha punição. Que ele apodreça no inferno - justificou a idosa.

No julgamento que ocorreu, nesta terça-feira (12), em Bristol, na Inglaterra, os policiais testemunharam que Penélope não sentiu a perda do marido. Ao contrário, quando soube que ele havia morrido em virtude dos golpes que ela aplicou, a mulher disse:

- Ah, que bom! -

David ainda chegou a ligar para o atendimento de emergência, mas Penélope apareceu e esfaqueou o marido uma última vez, levando-o à morte.

Eles eram casados há 24 anos e viviam bem. Mas, em 1998, o filho do primeiro casamento de David suicidou-se e ele culpava Penélope por isso; tornando-se “extremamente agressivo”, segundo relato dela aos policiais.

Em sua última desavença, dessa vez, por comida, o casal foi dormir, mais uma vez, brigados. Por “segurança”, ela disse que colocou uma faca embaixo do travesseiro. Ao acordar, ela admitiu pro marido que pensava em se matar. Porém, ao ouvir o relato dela, David debochou da situação e disse:

- Vá em frente, então -

Revoltada com a atitude do marido, ela aproveitou uma distração dele e começou a golpeá-lo

- Eu pensei: ‘Porque deveria ser eu? Tem de ser você’ - explicou.

Perante o Tribunal, a mulher disse estar convicta de que faria tudo de novo, “se tivesse oportunidade”.

- Não tem problema. Eu fiz isso. Por que eu fiz é outra questão, mas eu fiz. Eu consegui. Sou culpada. Se eu tivesse a chance, faria de novo; mesmo que me prendessem por 125 milhões de anos, ainda valeria a pena - afirmou.

Ela aplicou duas facadas no marido e ligou para a ambulância a pedido dele. Mas, ainda deu uma terceira quando David falava com o serviço. E finalizou a punição dizendo ao esposo, antes dele morrer:

- Os paramédicos podem ajudá-lo. Eu não vou –

A sentença dela sai em três semanas.

Siga o Jornal O Republicano nas redes sociais:

Facebook: O Republicano | Facebook

Twitter: @_ORepublicano

Instagram: @_ORepublicano

Mostrar comentários