Cabo Verde extradita aos EUA principal operador financeiro de Maduro

O empresário libanês radicado na Colômbia, Alex Nain Saab Morán, de 49 anos, apontado como o principal operador financeiro do ditador da Venezuela, Nicolás Maduro, foi extraditado pelo Governo de Cabo Verde aos Estados Unidos.

Funcionários da Casa Branca confirmaram que Saab foi encaminhado para o Sul da Flórida para ser processado pelo Ministério Público. Ele era acusado de lavagem de dinheiro e por ajudar o regime de Maduro a fugir das sanções impostas pelo Governo americano.

O "testa de ferro" de Maduro estava em prisão domiciliar no Cabo Verde aguardando a extradição. Os advogados de defesa do empresário alegaram que o processo contra ele era “inadmissível” e “inconstitucional” e pediam a nulidade das sentenças. Mas, o pedido foi rejeitado pelos juízes que avaliaram os recursos e o mandaram de volta aos Estados Unidos.

Entre as denúncias contra Saab e Maduro, estão a de que o empresário colombiano se tornou "quase que imediatamente o empreiteiro consentido e, depois, seu ministro plenipotenciário" nos bastidores; assim que o ditador tomou o poder no país. De acordo com o jornalista investigativo, Roberto Deniz, Saab até ganhou um contrato para a construção de ginásios no valor de 100 milhões de dólares, pagos antecipadamente, e um outro de petróleo com uma "empresa fantasma" e sem experiência.

A polícia procura, agora, o sócio de Saab, Álvaro Pulido, cujo paradeiro é desconhecido. Juntos, eles transferiram US$ 350 milhões para contas no exterior que possuíam ou controlavam. Os dois podem pegar até 20 anos de prisão, se forem condenados.

Siga o Jornal O Republicano nas redes sociais:

Facebook: O Republicano | Facebook

Twitter: @_ORepublicano

Instagram: @_ORepublicano

Mostrar comentários