Sem clube e "escondido", situação judicial de Robinho é complicada

O jogador Robinho, que já havia sido condenado em primeira instância pela justiça italiana, teve sua condenação confirmada em segunda instância.

A decisão em primeira instância ocorreu em 2017, por uma corte em Milão, na Itália, quando o jogador foi condenado a 9 anos de prisão por estupro coletivo de uma jovem albanesa, junto com cinco companheiros, no ano de 2013.

A defesa de Robinho tentou desqualificar a vítima, exibindo fotografias em que ela aparece ingerindo bebidas alcoólicas e, ainda, um dossiê com imagens retiradas das redes sociais da albanesa.

Ao total, a defesa anexou 42 fotos ao processo, mas o resultado foi mantido. Já a acusação usou como base áudios enviados por Robinho para Ricardo Falco, outro dos acusados, em que o jogador assume ter feito sexo oral com a jovem.

A defesa de Robinho deve ainda tentar recorrer da decisão em terceira instância, uma espécie de Supremo Tribunal de Justiça, na Itália.

O jogador está sem contrato no momento e permanece longe dos holofotes.

Siga o Jornal O Republicano nas redes sociais:

Facebook: O Republicano | Facebook

Twitter: @_ORepublicano

Instagram: @_ORepublicano

Por O Republicano
Mostrar comentários