O assassinato de Andrés Escobar, um dos crimes mais cruéis da história do Futebol

Um gol contra na Copa do Mundo pôs um fim na vida do jogador.

Andrés Escobar Saldarriaga nasceu em Medellín na Colômbia, no ano de 1967, e se destacou desde menino por suas habilidades futebolísticas, tinha personalidade, elegância e características de liderança o que fizeram do garoto um grande zagueiro do futebol colombiano.

Apelidado de o cavalheiro do futebol, se tornou ídolo do Atlético Nacional, conquistou a Copa Libertadores da América e também chegou a ser capitão da Seleção Colombiana.

No ano de 1994 disputou sua segunda Copa do Mundo na carreira (sendo a primeira em 1990), esta que mudou sua vida drasticamente.

A Seleção Colombiana, na época, possuía uma de suas melhores gerações em toda sua história, com Valderrama, Rincón e Asprilla.

Porém, vinha de uma derrota contra a Romênia ainda pela fase de grupos da competição e diante dos Estados Unidos a equipe precisava de pelo menos um empate para seguirem vivos no torneio.

Ainda no primeiro tempo diante dos americanos, Escobar tentou cortar um cruzamento adversário, mas com muita infelicidade mandou a bola contra o próprio gol.

Este gol contra ajudou a sacramentar a derrota por 2x1 e culminou com a eliminação de sua equipe do mundial.

Veja como foi o gol contra:

Dez dias depois, já em Medellín, Andrés estava em uma boate e nela alguns torcedores zombavam da eliminação, mantendo a calma o zagueiro pediu mais respeito e saiu da discoteca indo para o estacionamento, local onde foi assassinado com seis tiros a sangue frio.

O autor do crime confesso foi Humberto Muñoz de Castro, que era segurança dos irmãos Pedro e Juan Santiago Gallón, os mesmos que provocaram Escobar dentro da boate.

A teoria mais forte até hoje é a de que os irmãos Gallón (onde ambos estavam envolvidos no tráfico de drogas), teriam encomendado a morte do zagueiro por conta de apostas perdidas na Copa do Mundo decorrentes do gol contra.

Entretanto, nos tribunais o investigador do crime afirmou que o assassinato decorreu de uma disputa de poder, algo que era muito comum na violenta Colômbia dos anos 90, deixando dessa forma uma incógnita até hoje.

Muñoz acabou condenado a 43 anos de prisão, porém foi solto em 2005 por bom comportamento. Os irmãos Gallón que pegaram pouco mais de um ano de prisão, apenas pagaram a fiança e foram liberados.

Após o crime diversos jogadores colombianos passaram andar escoltados por seguranças por temor de novos atentados.

Andrés Escobar tinha apenas 27 anos na época e tinha acabado de fechar com o poderoso time italiano do Milan onde disputaria a titularidade com Franco Baresi.

Em homenagem ao zagueiro sua família criou o Projeto Andrés Escobar, este que ajuda crianças a tornar seu sonho de se tornarem jogadores de futebol profissional em realidade.

Siga o Jornal O Republicano nas redes sociais:

Facebook: O Republicano | Facebook

Twitter: @_ORepublicano

Instagram: @_ORepublicano

Mostrar comentários