Japão: Princesa se casa com plebeu e deixa a família real

Pela primeira vez na história do Japão após a guerra, uma princesa renuncia a uma importante quantia oferecida habitualmente às mulheres da família imperial por ocasião do casamento. Neste caso, falamos da corajosa princesa Mako, 30 anos, que se casou, nesta terça-feira (26), com o colega de universidade, o plebeu Kei Komuro, da mesma idade.

A cerimônia foi discreta, sem pompas e sem as tradicionais celebrações, resultado do que Mako quer para sua vida e seu coração: mais normalidade e menos pressão.

Para se unir ao amigo e advogado, Mako tomou algumas decisões drásticas: a sobrinha do imperador Naruhito teve que abandonar a família real, adotar o sobrenome do esposo e se desligar de todos os benefícios e obrigações que a mantinham na realeza.

Após o enlace, kei e Mako Komuro concederam entrevista coletiva para tentar explicar aos conterrâneos que o relacionamento entre os dois não era impróprio. Apenas seguiam seus corações.

- Kei é insubstituível. Nosso casamento foi uma escolha necessária para viver e cuidar de nossos corações - justificou Mako.

Ao passo que o marido declarou:

- Eu amo Mako - derreteu-se Kei à amada, acrescentando que, "de agora em diante quero estar ao lado do amor da minha vida".

Desde 2017, quando anunciaram o casamento, Kei e Mako viraram o alvo predileto dos tabloides, que destacavam as dificuldades financeiras da família plebeia de Komuro. Por conta disso, eles tiveram que adiar a união.

Agora, a especulação da imprensa sensacionalista é onde o casal vai morar; já que Kei se formou em Nova York, nos Estados Unidos e Mako está mais do que qualificada: ela estudou Arte e Patrimônio Cultural na Universidade Internacional Cristã de Tóquio, onde conheceu Komuro, e passou um ano em Edimburgo. Também tem mestrado pela Universidade de Leicester, no Reino Unido.

Siga o Jornal O Republicano nas redes sociais:

Facebook: O Republicano | Facebook

Twitter: @_ORepublicano

Instagram: @_ORepublicano

Mostrar comentários