CPI quer que Bolsonaro seja banido das redes sociais

A cúpula da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Covid-19 quer, agora, que o presidente da República, Jair Bolsonaro, seja banido das redes sociais em virtude de uma citação acerca de estudo científico britânico que ele mencionou, na quinta-feira (21).

Na ocasião, Bolsonaro comentou que o levantamento feito pelo Reino Unido relacionava pessoas soropositivas à vacina contra a Covid-19; informando que os completamente imunizados estavam progredindo mais rápido na doença.

A oposição ao Governo Bolsonaro e profissionais de saúde reagiram, imediatamente, ao pronunciamento do presidente. O relator da CPI, o senador Renan Calheiros (MDB-AL), vai pedir o banimento do chefe do Executivo das redes sociais em seu relatório final que, por sinal, já foi alterado algumas vezes. O documento será votado, hoje, no colegiado.

- Vamos amanhã (hoje) encaminhar uma ação cautelar junto ao Supremo Tribunal Federal pedindo o banimento dele nas redes sociais, como ocorreu nos Estados Unidos com o Donald Trump”, afirmou Calheiros, que é investigado por corrupção e lavagem de dinheiro em 17 processos que correm na Suprema Corte.

O vice-presidente da comissão, Randolfe Rodrigues (Rede-AP), foi além e ofendeu Bolsonaro de delinquente.

- Temos um delinquente contumaz na Presidência da República! Informo que incluiremos, no relatório da CPI, a fala mentirosa e absurda de Bolsonaro associando a vacina contra a covid-19 à Aids - disparou Randolfe, acrescentando que a Comissão encaminhará ofício ao ministro Alexandre de Moraes, para que o chefe do Planalto seja incluído no inquérito das Fake News.

Siga o Jornal O Republicano nas redes sociais:

Facebook: O Republicano | Facebook

Twitter: @_ORepublicano

Instagram: @_ORepublicano

Mostrar comentários