CPI: PGR abre investigação preliminar para apurar acusações contra Bolsonaro

O Procurador-Geral da República (PGR), Augusto Aras, determinou, nesta quinta-feira (28), a abertura de investigação preliminar que vai apurar os crimes atribuídos ao presidente Jair Bolsonaro e outras 12 autoridades que têm foro privilegiado.

Aras compartilhou as informações do relatório final da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Covid-19 com todos os procuradores do Ministério Público Federal (MPF) que estejam à frente de investigações relacionadas à pandemia e com a Comissão de Saúde do Conselho Nacional do Ministério Público.

O PGR tem prazo de 30 dias para se manifestar em resposta ao relatório. Mas, o presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP-AL) e o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Luis Roberto Barroso, já tiveram acesso ao documento dos senadores de oposição ao Governo Bolsonaro e consideraram os trabalhos finais do colegiado “fraco” para incriminar o presidente.

Lira, por sinal, disse:

- Ainda que graves sejam os fatos investigados, uma CPI não pode se converter em um instrumento inquisitorial de exceção. A hipótese suscitada pelo relator da CPI, de indiciar parlamentares desta casa por suas manifestações públicas e privadas fere de morte direitos e garantias fundamentais - concluiu o parlamentar.

Siga o Jornal O Republicano nas redes sociais:

Facebook: O Republicano | Facebook

Twitter: @_ORepublicano

Instagram: @_ORepublicano

Mostrar comentários