Ex-loira do Tchan assume cargo de confiança na PRF e desabafa: “Tentaram anular todo o esforço que fiz”

Silmara Miranda, de 40 anos, jornalista, servidora pública federal e ex-dançarina do grupo “É o Tchan”, passou no concurso público da Polícia Rodoviária Federal (PRF) e tomou posse em novembro de 2020, em Florianópolis. Em outubro deste ano, ela foi nomeada para cargo de confiança no setor de Comunicação Social do órgão, em Brasília, e a vaga tão disputada por outros colegas gerou críticas e boatos. Nesta semana, ela resolveu botar um “basta” nas desconfianças levantadas por membros de equipe e rebateu as acusações em rede social.

- Para esta função, não existe absolutamente nenhum critério de antiguidade, sendo um cargo de livre nomeação e exoneração - explicou Silmara.

A servidora acrescentou que a transferência para Brasília não foi uma oferta exclusiva para ela. Mas, todo os policiais que se candidataram tinham que passar por um processo seletivo interno que, aliás, vem ocorrendo desde fevereiro deste ano.

- Apenas 10 (policiais) se inscreveram, manifestando a vontade de morar na capital federal - aponta a servidora de carreira, lamentando que as desconfianças de colegas tenha tentado macular a sua imagem.
- A ausência da verdade teve o objetivo de denegrir a minha imagem e anular todo o esforço que fiz para chegar até onde cheguei - desabafou.

Silmara fez parte da banda “É o Tchan”, de 2003 a 2007. Foi ela quem substituiu Scheila Mello no grupo. Após abandonar os palcos, ela focou nos estudos e concursos; mas nunca escondeu dos seguidores seu antigo trabalho.

- Foram quatro anos e eu fui muito feliz. Tinha uma relação ótima com os integrantes da banda e também com o pessoal do escritório. Fui sempre muito respeitada por todos e nunca tive problema nenhum - lembrou.

Siga o Jornal O Republicano nas redes sociais:

Facebook: O Republicano | Facebook

Twitter: @_ORepublicano

Instagram: @_ORepublicano

Mostrar comentários