Folha publica artigo ofendendo Marília Mendonça no mesmo dia em que cantora era enterrada

A Folha de S.Paulo se tornou o assunto mais comentado no Twitter, neste sábado (6), depois que o colunista e professor Gustavo Alonso resolveu escrever um artigo sobre a vida e trajetória profissional da cantora sertaneja Marília Mendonça, de 26 anos, morta no dia anterior em consequência de um acidente de avião.

O problema do texto de Alonso é que ele, aparentemente, começa bem. Mas, ao longo do artigo ele vai soltando umas críticas um tanto fora de hora porque no mesmo dia em que a declaração foi publicada, Marília era enterrada em Goiânia.

Sem respeito aos familiares, fãs e amigos da artista, Alonso escreveu que ela, apesar de ser a “cabeça do feminejo”, mercado da música dominado por homens, era de aparência física e voz duvidosas.

- Nunca foi uma excelente cantora. Seu visual também não era dos mais atraentes para o mercado da música sertaneja, então habituado com pouquíssimas mulheres de sucesso: Paula Fernandes, Cecília (da dupla com Rodolfo), Roberta Miranda, Irmãs Galvão, Inhana (da dupla com Cascatinha) - dispara Alonso.
- Marília era gordinha e brigava com a balança. Mais recentemente, durante a quarentena, vinha fazendo um regime radical que tinha surpreendido a muitos. Tornava-se também bela para o mercado. Mas, definitivamente, não foi isso que o Brasil viu nela - completou o historiador.

Nem é preciso dizer que o texto de Alonso gerou revolta nas redes sociais e o professor foi duramente criticado nas redes sociais.

- Se eu tivesse que eleger uma única frase, extremamente, desnecessária para um obituário, ‘gordinha e brigava com a balança’ entraria FORTE no páreo - debochou uma internauta.
- Que lixo de matéria é essa? - questionou a cantora carioca Teresa Cristina.
- É uma vergonha essa coluna! - escreveu a comentarista da Globo, Ana Thaís Matos.

Siga o Jornal O Republicano nas redes sociais:

Facebook: O Republicano | Facebook

Twitter: @_ORepublicano

Instagram: @_ORepublicano

Mostrar comentários