GOL começa a demitir não vacinados

A companhia aérea GOL, com 15 mil funcionários, alegou “compromisso com a saúde pública” e começou a demitir todos os trabalhadores que ainda não estão vacinados contra a Covid-19. Mas, a empresa argumenta que poucos colaboradores serão dispensados; já que, segundo a direção, 99% deles estão completamente imunizados.

- Este número revela o claro engajamento do público interno da companhia em uma atitude de cuidado com a própria saúde, de seus familiares, colegas de trabalho, clientes e de toda a sociedade - diz a nota.

E completou:

- Estamos também atentos ao novo calendário do Ministério da Saúde de aplicação de doses de reforço para a população adulta já vacinada, incentivando nossos colaboradores a seguirem as recomendações dos órgãos competentes para caminharem conosco nesta retomada ainda mais protegidos e saudáveis - acrescentou.

Em contrapartida, em setembro deste ano, o presidente da GOL, Paulo Kakinoff, que faz parte de um grupo de empresários e executivos denominado “Unidos Pela Vacina”, disse que o “passaporte sanitário” não seria cobrado dos clientes que escolhessem viajar com a companhia. Ele justificou que não concorda com a exigência para esse público porque há um quantitativo pequeno da população que não pode se vacinar por motivos médicos, “mas seria um número absoluto considerável”.

- Adotar um regime assim prejudicaria essas pessoas - despistou.

Siga o Jornal O Republicano nas redes sociais:

Facebook: O Republicano | Facebook

Twitter: @_ORepublicano

Instagram: @_ORepublicano

Mostrar comentários