Mãe de médico assassinado abraçou e perdoou o assassino do próprio filho

Dormitília Lopes, mãe do médico psiquiatra Andrade Lopes Santana, morto em São Gonçalo, disse já ter perdoado o homem acusado de matar seu filho.

O corpo do médico foi encontrado no rio Jacuípe, com um tiro na nuca. Geraldo Freitas, amigo da vítima, foi preso como principal suspeito do crime.

Dormitila se encontrou com Geraldo, que também é médico, e contou o que sentiu:

– Ele me abraçou, chorou comigo, dizia que sentia minha dor. Quando chegou algemado à delegacia com um casaco na cabeça, eu disse: “Júnior, tu matou meu filho, por que fez isso?”. Ele tentou balançar a cabeça com o casaco. Algumas pessoas gritavam “assassino”. Se a polícia não estivesse lá, tinham linchado ele – disse Dormitília.

Segundo ela, apesar da dor, já perdoou o assassino:

– Não consigo ter rancor, ódio nem desejo de vingança [pelo] assassino. Perdoei porque nosso único caminho é perdoar. Não existe outro caminho, se você quiser ir para o céu, se não for perdoar – desabafou ela.

Andrade estava morando na Bahia desde 2006, mas era natural do Acre. Dormitilia contou, ainda, que não conhecia Geraldo, e que a última vez que viu o filho foi em 2019, por causa da pandemia:

– A gente conversava por mensagem. De vez em quando nos falávamos. Mas não me falou nada desse amigo. Veio para o Acre deixar um carro de presente do Dia das Mães, em 2019. Me casei de novo. Veio a pandemia, e [eu] não podia sair muito.
Estava esperando meu esposo e eu nos vacinar para andar de novo.
No final do ano de 2019, ele [Andrade] comprou as passagens para que eu fosse vê-lo. Fiquei uns oito dias porque ele estava muito cansado, não podia ficar muito comigo.
Fiquei pouco tempo.

Siga o Jornal O Republicano nas redes sociais:

Facebook: O Republicano | Facebook

Twitter: @_ORepublicano

Instagram: @_ORepublicano

Mostrar comentários