MPF abre ação contra Sikêra e pede R$ 10 milhões

O Ministério Público Federal (MPF) abriu uma ação civil pública contra o apresentador da RedeTV!, Sikêra Jr., de 55 anos.

O MP acusa o comunicador de discriminar a comunidade LGBTQIA+ porque, no dia 26 de novembro passado, o jornalista criticou o novo superman gay. Na ocasião, Sikêra cantou uma música em que relacionava pessoas homossexuais à prática de pedofilia.

O Grupo Pela Livre Expressão Sexual, a Aliança Nacional LGBTI+ e o Grupo Dignidade também assinaram a ação junto com o MP. O órgão quer punir a própria União, alegando que o Governo Federal não tem feito o papel de fiscalizar as concessionárias de radiodifusão.

A RedeTV! foi citada na ação e, se condenada, deverá implementar campanhas contra a discriminação da comunidade LGBTQIA+.

O valor da ação está em R$ 10 milhões, que serão revestidos a entidades que atendam as comunidades homossexuais, transgêneros e intersexo.

Em maio deste ano, o apresentador já havia sido absolvido e não precisou pagar indenização à modelo transexual Vivinay Belebony. Ela havia atuado como Jesus Cristo em uma encenação durante a "Parada Gay" de 2015 e Sikêra argumentou que aquilo era ofensa à comunidade cristã, chamando os atores de "raça desgraçada".

O desembargador Rodolfo Pellizari disse que as palavras do comunicador não foram dirigidas, unicamente, à modelo e indeferiu a indenização.

- Em verdade, a crítica foi dirigida à toda a comunidade LGBTI, de forma genérica -

- Aliás, seu programa televisivo é largamente conhecido pelo fato de exarar sua opinião acerca das notícias que divulga -

E completou:

- O apresentador acha que os homossexuais ofendem sua religião ao explorarem a imagem de Jesus em manifestação destinada a causa LGBTI e por imputarem a Cristo a homossexualidade. Mera opinião, mas que é partilhada por muitos - escreveu, finalizando a ação.

Siga o Jornal O Republicano nas redes sociais:

Facebook: O Republicano | Facebook

Twitter: @_ORepublicano

Instagram: @_ORepublicano

Mostrar comentários