Países islâmicos se reúnem para tentar ajudar população afegã

Depois que o presidente dos Estados Unidos, o democrata Joe Biden, decretou a saída das tropas americanas que faziam a segurança dos civis no Afeganistão, o grupo terrorista Talibã tomou conta do país e determinou uma série de regras aos cidadãos.

Vários postos de trabalho foram fechados, meninas ficaram impedidas de ir pra escola e mulheres não puderam mais exercer atividade nenhuma. Como consequência, o país entrou num caos, a comida está cada vez mais escassa e a emergência humanitária proibida de atuar em território afegão.

Por isso, 57 países islâmicos estão reunidos no Paquistão, neste domingo (19), para debater uma forma de ajudar o povo do Afeganistão e tentar manter relações diplomáticas com os terroristas.

A Organização das Nações Unidas (ONU) disse que o país está próximo de viver a pior crise humanitária do mundo e a entidade também está participando do evento junto com um enviado do Talibã.

Siga o Jornal O Republicano nas redes sociais:

Facebook: O Republicano | Facebook

Twitter: @_ORepublicano

Instagram: @_ORepublicano

Mostrar comentários