Eleições 2022: Barroso mira em crescimento do Telegram

O ministro do Supremo Tribunal Federal e atual presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), Luis Roberto Barroso, voltou o seu "arsenal" para as mensagens que o aplicativo Telegram é capaz de disparar.

Barroso encaminhou, na quinta-feira (16), um pedido para o diretor-executivo da empresa, Pavel Durov, a fim de evitar a propagação de possível desinformação durante as eleições de 2022. O Telegram está presente em 53% de todos smartphones ativos disponíveis no Brasil.

O ministro está intrigado com o crescimento do aplicativo e alega que o Telegram costuma divulgar notícias falsas sobre o sistema eleitoral brasileiro sem que haja ressalvas sobre isso.

- Muitas dessas iniciativas se juntaram ao Tribunal em sua missão de garantir que os eleitores tenham acesso a informações verdadeiras sobre o processo eleitoral, para que possam exercer o seu direito de voto de forma consciente e informada - argumentou Barroso.

O Telegram não possui escritório no Brasil, mas o ministro solicitou que algum representante do aplciativo venha ao país explicar como é o "modus operandis" da plataforma para poder redigir novas regraspara o pleito do ano que vem. É que, recentemente, o Tribunal divulgou que não poderá ser feito o disparo em massa de mensagens de aplicativos, entre outras determinações.

Siga o Jornal O Republicano nas redes sociais:

Facebook: O Republicano | Facebook

Twitter: @_ORepublicano

Instagram: @_ORepublicano

Mostrar comentários