A comovente história da "Trégua de Natal" durante a Grande Guerra

Alemães e ingleses deixando as armas de lado e confraternizando como irmãos...

O Século XX se iniciou com uma grande tensão mundial, o Império Alemão se expandia cada dia mais se tornando a maior potência industrial da Europa, mantendo uma produção de armas em grande escala, consequentemente gerando desconfiança em países como a França, Inglaterra e Rússia, que já possuíam antigas desavenças por territórios e questões financeiras com os alemães.

A última gota caiu quando o herdeiro do trono do Império Austro-Húngaro, Francisco Fernando foi assassinado na Bósnia.

Iniciando assim em julho de 1914 uma guerra por conta de tratados.

O conflito se tornou de escala global, envolvendo países europeus e americanos, além de outras nações e algumas colônias da Ásia e da África, ficando conhecido como "A Grande Guerra" (nome que perdurou até a Segunda Guerra Mundial acontecer), dividindo o mundo em dois blocos, a Tríplice Aliança composta pelo Império Alemão, Império Austro-Húngaro e Itália, e a Tríplice Entente encabeçada pela França, Reino Unido e Império Russo.

A TRÉGUA

Em dezembro de 1914, as tropas inglesas e alemães combatiam nas trincheiras da região de Ypres, localizada na Bélgica, era véspera de natal quando os soldados britânicos foram surpreendidos pelos germânicos que apareceram em sua trincheira desarmados e com presentes para os ingleses.

Na intenção de confraternizar, os alemães chegaram cantando a música Stille Natch (conhecida no Brasil pela versão “Noite Feliz”). Reconhecendo o ritmo, os ingleses cantaram Silent Natch (a mesma música na versão britânica. A iniciativa veio dos próprios soldados, ocorrendo de forma não oficial e que só pode ser confirmada através de cartas que foram enviadas aos familiares dos mesmos, com alguns trechos sendo expostos nos jornais The Guardian e The Times e na revista New Republic.

A confraternização seguiu com os soldados deixando as trincheiras e avançando até a terra de ninguém (nome que é dado ao espaço entre as trincheiras, que ainda não possui um dono), por lá a festa continuou, com bebidas, cigarros, abraços e o principal evento, uma partida de futebol, totalmente improvisada por conta das circunstâncias e do clima frio, conta-se que foram utilizados capacetes para formar as goleiras e latas de carne ocuparam a função da bola de futebol.

Segundo historiadores, ambos os lados das trincheiras totalizaram um número de soldados chegava próximo aos cem mil.

- Nós estávamos perto de atirar neles quando vimos que eles não tinham rifles. Então, um de nossos homens foi ao encontro deles e, cerca de dois minutos depois, o terreno entre as duas trincheiras estava repleto de homens e oficiais de ambos os lados, apertando as mãos e desejando Feliz Natal”, escreveu o Capitão A. D. Chater em carta enviada à sua mãe.

O resultado da partida diverge entre os historiadores, porém, o mais considerado hoje é a vitória dos alemães pelo placar de 3x2.

Os governos e os burocratas do alto escalão do exército negaram em época a existência de uma trégua, pois não aceitavam que seus soldados confraternizaram com os rivais, ocorrendo casos em que alguns soldados que participaram da trégua foram ameaçados por seus oficiais superiores.

Alguns relatos do ocorrido são controversos, abrindo um leque para outras hipóteses do evento, tal a que descreve que a partida de futebol teria ocorrido em outro território e não no belga.

De acordo com outra carta exibida em documentário na BBC, os ingleses teriam vencido a partida por 4x1, e, por último, a possibilidade de só os ingleses terem jogado e os alemães serviram apenas de espectadores ao “espetáculo”.

Fato é que em todas as versões da trégua o futebol esta relacionado e, mesmo após mais de um século, o evento é lembrado e servido como exemplo já que por baixo da farda, todos eram iguais.

No dia 26 tudo voltou ao “normal”. Os batalhões voltaram a trocar tiros e lançar bombas, dando fim a conhecida "Trégua de Natal".

A partida se tornou tema da música “Pipes of Peace” do The Beatles e em 2005 também se tornou filme, produzido pelo diretor francês Christian Carion, denominado “Feliz Natal”.

A Grande Guerra só foi terminar quase 4 anos depois em novembro de 1918.

Na época, os aliados dos alemães já haviam desistido da batalha, porém, o Imperador Alemão Guilherme II persistia na guerra, o que fez com que seu povo se voltasse contra ele, fazendo-o abdicar do trono.

Um governo provisório tomou conta da Alemanha, proclamando a República de Weimar, e assinando o tratado de rendição dando fim ao confronto e declarando a vitória da Tríplice Entente.

Siga o Jornal O Republicano nas redes sociais:

Facebook: O Republicano | Facebook

Twitter: @_ORepublicano

Instagram: @_ORepublicano

Mostrar comentários