De quem é a culpa pela obesidade infantil mundial?

A cada hora, uma criança se torna sobrepeso/obesa no mundo e, pasmem, boa parte delas está em países em desenvolvimento, como o Brasil.

Claro que se a criança não é a responsável por trazer o alimento para dentro de casa, então, a responsabilidade do aumento de peso desgovernado desse público é exclusivamente dos responsáveis legais. E, por esta razão, são os pais e/ou tutores aqueles que devem educar para hábitos de vida mais saudáveis e evitar esse que é considerado atualmente um problema de saúde pública.

Os pais precisam ficar, cada vez mais, alertas ao tipo de exemplo que podem dar dentro de seus lares. Isto porque até os 14 anos, em média, a criança apenas copia comportamentos. Para ser mais específica, até os 8 anos de idade, a criança tende a copiar os hábitos da mãe: modo de falar, vestir, comer e até caminhar. Por este motivo, se a mãe é sedentária, a criança dificilmente se interessará por atividades físicas. A partir dos 9 anos, tudo muda e agora a figura paterna se torna o centro das atenções. Então, começa a curiosidade por futebol, dirigir, fumar, bebida alcoólica...

Existem alguns hábitos considerados sedentários e que precisam mudar urgentemente para reverter essa realidade!

1. Ingerir refrigerantes e salgadinhos semanalmente;

2. Não praticar atividade física diariamente, por pelo menos 30 minutos;

3. Ter poucas horas de sono;

4. Passar mais de 2h em frente à TV ou jogando videogame;

5. Não ter horários definidos para fazer as refeições;

6. Não ingerir legumes e frutas semanalmente.

Se a criança tem 8 anos e já se encontra em situação de sobrepeso saiba que, se não inserido em uma rotina de atividade física, ele provavelmente será obeso aos 31 anos de idade. Período no qual os amigos começam a casar e ter filhos e os consultórios psicológicos passam a receber este público que, em geral, apresenta dificuldades para serem aceitos pelos padrões impostos pela sociedade.

Vale lembrar que obesidade é doença crônica, com inúmeras repercussões cardiopulmonares e que pais obesos têm seis vezes mais chances de gerarem filhos também obesos, numa combinação caótica tanto de genética quanto de comportamento.

Esteja atento à educação alimentar do seu filho(a) e procure um especialista o quanto antes. Obesidade é doença, mas pode ser evitada.

Siga o Jornal O Republicano nas redes sociais:

Facebook: O Republicano | Facebook

Twitter: @_ORepublicano

Instagram: @_ORepublicano

Mostrar comentários