Twitter suspende conta de mãe de Bruno Graf

O Twitter suspendeu, nesta sexta-feira (7), a conta de Arlene Ferreira na plataforma. Ela é mãe do advogado Bruno Graf, que morreu aos 28 anos em virtude complicações com a vacina AstraZeneca.

- Um exame constatou o nexo causal entre o óbito e a vacinação. Quando isso ocorreu, fiz um alerta em todas minhas redes sociais. Como resposta, obtive inúmeros relatos de casos semelhantes em diversos lugares do Brasil - explicou.

Arlene tinha, aproximadamente, 30 mil seguidores e disse que ficou surpresa ao ver que a conta não poderia mais ser acessada. Ela contou que a rede social, sequer, avisou que o perfil seria derrubado.

A mãe de Bruno Graf usa as mídias sociais para contar sobre a morte do filho, que faleceu de AVC após tomar a vacina contra a Covid-19. Ela disse que essa não foi a primeira vez que plataformas a bloquearam. No Face, por exemplo, ela criou duas contas porque era, frequentemente, bloqueada. Atualmente, não pode usar nenhuma. E no YouTube, ela já levou várias punições e caminha para ser desativada pela rede.

- No Facebook, fui bloqueada diversas vezes. Inicialmente, fui impedida de fazer postagens por 30 dias. Então, criei uma segunda conta. Porém, fui novamente bloqueada. No Instagram, as pessoas não conseguem marcar meu perfil - lamentou.

Siga o Jornal O Republicano nas redes sociais:

Facebook: O Republicano | Facebook

Twitter: @_ORepublicano

Instagram: @_ORepublicano

Mostrar comentários