Vídeo mostra a caçada ao "psicopata" do Distrito Federal

Lázaro Barbosa Souza, de 33 anos, suspeito de cinco mortes no Distrito Federal, foi encontrado por um fazendeiro e seu caseiro, enquanto dormia em uma fazenda na cidade de Cocalzinho, em Goiás, na manhã desta terça-feira (15).

Fugindo há uma semana, Lázaro estava com uma mochila e pediu comida:

"Não quero te machucar, apenas quero comida", disse ele ao caseiro.

Quando o dono da fazendo voltou para dentro de casa, Lázaro acabou fugindo.

Equipes de policiais chegaram, à fazenda em torno das 8h.

Imagens das câmeras de segurança mostram a movimentação no local.

Assista:

Uma força-tarefa foi montada, envolvendo as secretarias de Segurança Pública de Goiás e do Distrito Federal, com base em Cocalzinho, para prender Lázaro. O grupo conta com policiais da Polícia Militar (PMDF), da Polícia Rodoviária Federal (PRF), da Polícia Federal (PF) e da Polícia Civil do Distrito Federal (PCDF).

São usados cães farejadores, três helicópteros e drones.

Moradores de uma chácara nas redondezas chamaram a polícia por volta das 11h da manhã, avisando que haviam visto Lázaro passar numa região de mata.

Lázaro havia invadido outra fazenda na região na noite de segunda-feira (14) e acreditava-se que ele havia sido ferido em uma troca de tiros com o caseiro, mas não há confirmação, já que no vídeo ele aparece se movimentando com aparente normalidade.

Os crimes de que Lázaro é acusado:

9 de junho: Lázaro invadiu a chácara de Cláudio Vidal, matando a ele e seus filhos, na cidade de Ceilândia. Na fuga, Lázaro fez Cleonice Marques, de 43 anos, esposa de Cláudio, como refém, e a sequestra. Durante a ação, a mulher conseguiu ligar para seu irmão pedindo socorro, mas ao chegar ao local a família encontrou apenas os corpos de Cláudio e seus filhos.

10 de junho: Lázaro invade outra residência, há três quilômetros da chácara de Cláudio Vidal, onde mantém a dona da casa, Sílvia Campos, de 40 anos, e o caseiro, Anderson, de 18 anos, como reféns sob a mira de uma arma por três horas e os obriga a fumar maconha. Ao deixar a residência, Lázaro leva R$ 200 e celulares das vítimas. A refém Cleonice continua desaparecida.

11 de junho: Lázaro rouba um carro e faz mais um refém, deixando Ceilândia e indo para Cocalzinho, em Goiás, onde incendeia o veículo. A polícia suspeita de que, para isso, Lázaro tenha contado com a ajuda de um comparsa. As buscas por Cleonice continuam.

12 de junho: O corpo de Cleonice é encontrado em um córrego próximo ao Sol Nascente. No mesmo dia Lázaro invade uma casa, onde teria ingerido bebidas alcoólicas, fazendo o caseiro de refém e destruindo seu carro. Horas mais tarde, Lázaro invade outra casa, atirando em três homens e roubando armas de fogo. À noite, teria incendiado uma casa em Cocalzinho. Alguns relatos afirmam que ele teria trocado tiros com a polícia, informação que não foi confirmada pelo secretário de Segurança Pública de Goiás. Os três homens baleados foram levados a um hospital. Dois encontram-se em estado grave.

13 de junho: Lázaro invade mais uma casa, que estava vazia, roubando um Corsa vermelho. Por volta de 18h30, ele abandona o veículo em uma rodovia, possivelmente por ter avistado um bloqueio policial e decidido fugir para o mato. No veículo, a polícia encontrou um carregador de munição. De acordo com a Polícia Militar de Goiás, o suspeito teria chegado a trocar tiros com a polícia antes de fugir para um matagal.

Siga o Jornal O Republicano nas redes sociais:

Facebook: O Republicano | Facebook

Twitter: @_ORepublicano

Instagram: @_ORepublicano

Mostrar comentários