Jornalistas da Folha pedem que veículo volte a censurar textos

Quase 200 jornalistas da Folha de S.Paulo encaminharam carta aberta à direção do veículo de comunicação, solicitando que os editores façam uma revisão e censurem alguns textos que, segundo os profissionais, são "preocupantes".

O motivo da queixa foi um artigo que o antropólogo e historiador Antonio Risério, de 68 anos, publicou na Folha. O texto do professor afirmava que existe racismo de negros contra brancos. Os comunicadores leram o ensaio e se sentiram ofendidos. Em seguida, encaminharam a carta para a direção do jornal.

- Nós, jornalistas da Folha, aqui subscritos, vimos, por meio desta carta, expressar nossa preocupação com a publicação recorrente de conteúdos racistas nas páginas do jornal. Sabemos ser incomum que jornalistas se manifestem sobre decisões editoriais da chefia, mas, se o fazemos neste momento, é por entender que o tema tenha repercussões importantes para funcionários e leitores do jornal e no intuito de contribuir para uma Folha mais plural - alegaram.

Esta não é a primeira vez que jornalistas da Folha discordam do que é publicado e reclamam para a direção. O escritor Leandro Narloch e o sociólogo Demétrio Magnoli também já divulgaram artigos no veículo e foram questionados pelos colegas de trabalho. Ambos refutaram as acusações e mantiveram sua opinião no editorial.

Siga o Jornal O Republicano nas redes sociais:

Facebook: O Republicano | Facebook

Twitter: @_ORepublicano

Instagram: @_ORepublicano

Mostrar comentários