Em carta aberta, Jefferson afirma que esperava traição da própria filha, mas "nunca da Graciela"

O ex-deputado federal e presidente do PTB, Roberto Jefferson, comentou, neste domingo (30), sobre a descoberta de um grupo secreto de WhatsApp que a "ex-afilhada política" dele, Graciela Nienov, comandava.

Em carta aberta, Jefferson contou que está "profundamente abalado" com o que descobriu e disse que esperava ser traído até pela própria filha, Cristiane Brasil, mas "nunca por Graciela".

E acrescentou:

- Como ser humano tem meu amor, mas perdeu minha confiança - resumiu o ex-parlamentar.

Leia a íntegra da carta:

"Gustavo, meu advogado, te entrego em mãos esta carta para que possa ser divulgada.

Não dei uma palavra contra a Graciela. Eu a defendi contra todos, até com você; quando me chamava atenção em relação a ela eu brigava.

Briguei contra todos, contra minha própria filha!! Contra o Rondon, o Albuquerque e suas ameaças de morte. Tanto que ele procurou o Neskau para me ameaçar e ele respondeu: se for pessoalmente e de frente, ele pagava para ver.

Fiz dela minha continuação, mas ela se transformou numa ruptura. Nada dissemos contra ela. Só falávamos a favor. O mal que está sendo dito na mídia são palavras dela e do grupo dela: Nayara, Jefferson, Valadares e Paula. São diálogos deles num grupo secreto.

As piores palavras saem dela, do Valadares e do Jefferson. Chamam meu grupo de 5a. coluna, falam em terminar com a seita robertista, que meu grupo aluga a legenda, que meu grupo quer destruir o PTB. Eu precisei ouvir 4 vezes as gravações do grupo secreto que eles formaram.

Li várias vezes os tweets que eles escreveram. Minha cabeça se recusava a aceitar. Me abalou profundamente.

Da Cristiane eu poderia esperar essas atitudes, mas da Graciela, que eu gostava como filha, nunca!!

Repito: a crise não foi forjada por nós, mas pelas palavras de Grupo secreto da Graciela, publicadas pela Nayara que brigou com o grupo.

A mim abalou. Ouvi várias vezes a zombaria feita contra mim e meus amigos.

Se o PTB não tem hoje tantos deputados, foi porque nós colocamos os viciados para fora.

Os presidentes regionais construirão uma nova e grande bancada.

A Graciela me pediu demissão. Eu aceitei, pois após os áudios do grupo dela, perdeu qualquer condição moral ou política para continuar à frente da presidência.

A Graciela me desqualificou e me traiu. Quis apagar minhas lutas e o meu legado. Estou dizendo isso pelo o que ouvi do grupo secreto da Graciela.

A Graciela foi pior de que a Cristiane para mim, que foi pior do que Brutus foi para Júlio César.

Quando ela me visitava na prisão ela chorava, fazia minha Ana chorar, me fazia chorar, declarando amor, lealdade e compaixão.

Como, ao sair de lá, ela podia fazer aquelas gravações no seu grupo secreto, de zombarias desconstrução? Como? Quem ela é, na verdade: a Graci, que chora pra mim ou a que ri de mim nas minhas costas no grupo secreto?

Quanto a falar comigo, a Graciela sabe onde eu moro. Não sairei de casa. Estou preso e incomunicável, somente podendo receber visitas de parentes próximos e de meus advogados como agora recebo. Decisão judicial.

Peço a você que peça autorização ao Ministro para trazer a Graciela até aqui. Em caso de autorização, eu a receberei como só poderia ser, minha criatura querida.

Como ser humano tem meu amor, mas perdeu minha confiança para presidir nosso PTB.

Eu a edifiquei como uma grande líder para a vida. Ela quis me envolver com as cordas da sepultura.

Escrevo esta carta que te entrego profundamente triste e abalado.

Nossa força e vitória é Jesus!

Roberto Jefferson, um preso político.”

Siga o Jornal O Republicano nas redes sociais:

Facebook: O Republicano | Facebook

Twitter: @_ORepublicano

Instagram: @_ORepublicano

Mostrar comentários