Barroso elogia eleições em Portugal, mas lá o voto é manual

Esta semana circulou nas redes sociais um tuíte de 31 de janeiro deste ano, em que o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) e também atual presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), Luis Roberto Barroso, elogia o sistema eleitoral de Portugal; onde esteve para observar o pleito.

Na ocasião, o magistrado disse:

- Em Portugal, como observador das eleições, vi um show de organização e democracia. Pesquisas indicavam empate técnico, mas o Partido Socialista obteve maioria absoluta. Ninguém questionou o resultado. Um exemplo de respeito e civilidade para o mundo - escreveu no Twitter, antecipando que o resultado das urnas pode ser diferente do que as pesquisas indicam no Brasil.

Crítico ferrenho à impressão do voto eletrônico no país, o post de Barroso chamou a atenção dos internautas porque, em Portugal, o voto é em cédula de papel que o eleitor escreve manualmente o nome do seu candidato com caneta que ele mesmo leva.

Nas redes sociais, a postagem do ministro foi censurada por parlamentares que lutavam pela adesão do voto impresso em território brasileiro. O deputado federal Carlos Jordy publicou:

- Por que será que ninguém questionou, Barroso? - indagou, com uma foto do eleitor português depositando o voto escrito na urna.

Siga o Jornal O Republicano nas redes sociais:

Facebook: O Republicano | Facebook

Twitter: @_ORepublicano

Instagram: @_ORepublicano

Mostrar comentários