Adrilles Jorge acusa dono da Jovem Pan de assédio moral: "Imbecil"

Demitido da Jovem Pan esta semana, ao ter um "tchau" confundido com saudação nazista, o ex-comentarista da casa, Adrilles Jorge, desabafou, em entrevista ao jornal Folha de S. Paulo, e disse que o dono da emissora, Antônio Augusto Amaral de Carvalho Filho, mais conhecido como Tutinha, ligou, pessoalmente para ele após o programa e disse "poucas e boas".

Tutinha disse ao escritor que ele havia feito "uma m@erda, uma imbecilidade" e que, por conta do suposto gesto nazista, a Jovem Pan perderia patrocínios e anunciantes. O empresário, à princípio, iria somente suspender o jornalista, mas, minutos depois, decidiu pela demissão; mesmo após os apelos do público, de autoridades e colegas de trabalho do rapaz.

- Ele disse: ‘É surreal o que você fez: uma saudação nazista. Você fez uma merda, uma imbecilidade’. Me chamou de imbecil, me assediou moralmente - lamentou o comunicador.
- Acho que ele não tinha tomado o Rivotril dele direito - debochou.

Adrilles conta que ainda tentou se defender e mostrar que não era uma saudação nazista, mas um "tchau" como ele fez em outros programas. Porém, Tutinha não acreditou:

- Eu disse a ele que dei apenas um 'tchau'. Ele falou que a Jovem Pan ia perder patrocínio, anunciantes. Comunicou que eu estava suspenso - relata, acrescentando que, após o telefonema, soube por pessoas próximas que estava demitido.
- Fui demitido por quê? Por que dei um tchau? Ou porque ele não aguentou a pressão da turba dos canceladores? Ele cedeu à grana, aos influenciadores, à turba sedenta de sangue - concluiu.

Siga o Jornal O Republicano nas redes sociais:

Facebook: O Republicano | Facebook

Twitter: @_ORepublicano

Instagram: @_ORepublicano

Mostrar comentários