Museu do Holocausto em Curitiba convida Monark para conhecer a história do Nazismo

Após fala antissemita do youtuber Bruno Aiub, mais conhecido como Monark, durante entrevista com os deputados federais Kim Kataguiri (Podemos-SP) e Tabata Amaral (PSB-SP), no Flow Podcast, o ex-apresentador da atração foi convidado via Twitter pelo Museu do Holocausto de Curitiba para conhecer a história do nazismo na Segunda Guerra Mundial (1939-1945).

- Eu acho que o nazista tinha que ter o partido nazista reconhecido pela lei. Se o cara quisesse ser um ‘antijudeu’, eu acho que ele tinha direito de ser - disse o comunicador.

Logo em seguida, a fala do ex-apresentador teve uma enorme repercussão negativa e, por consequência, acabou sendo desligado de seu próprio podcast.

O programa emitiu uma nota e já retirou o episódio do ar, patrocinadores também já deixaram de apoiar o canal. Até o momento, já foram mais de 60 mil inscritos perdidos, o equivalente a 1,6% do podcast.

No Twitter, o Museu do Holocausto também reagiu à declaração do influenciador.

- Aqui, aprenderá que o partido nazista refletia uma pequena minoria e que, por ter suas ideias de supremacia e extermínio consentidas, pôde crescer e perpetrar o Holocausto. Ser ‘antijudeu’ não é ser contra um conjunto de ideias, mas contra a existência de um grupo de pessoas. Aqui, você certamente verá que o indivíduo e suas liberdades, direitos e deveres não existem fora da sociedade. Portanto, a liberdade individual se limita quando se choca com a liberdade do outro - conclui a entidade.

Siga o Jornal O Republicano nas redes sociais:

Facebook: O Republicano | Facebook

Twitter: @_ORepublicano

Instagram: @_ORepublicano

Mostrar comentários