"Entre chorar a minha família ou a dela, que seja a dela!!", diz delegado após briga no trânsito

O Ministério Público do Estado do Mato Grosso do Sul (MPMS) vai investigar a conduta do delegado-geral da Polícia Civil, Adriano Garcia Geraldo, que atirou contra o veículo de uma moça, de 24 anos, na noite de quarta-feira (16), após briga no trânsito.

O desentendimento aconteceu em uma das vias mais movimentadas da cidadade, a Avenida Mato Grosso, em horário de pico, às 19 horas.

O delegado disse que saiu em disparada atrás da moça depois que ela lhe fechou no semáforo e ainda mostrou o dedo do meio. Na perseguição, ele conseguiu alcançar o carro dela e a mandou descer do veículo, mas, como ele não estava com automóvel caracterizado pelo departamento policial que ele dizia representar, a jovem se recusou com receio de ser agredida.

Com a negativa, Adriano deu dois tiros: um com o veículo ainda parado e outro, quando a jovem tentou fugir dele.

Depois da ocorrência, o delegado concedeu entrevista a uma rádio local e disse:

- Entre chorar a minha família ou a dela, que seja a dela!! - justificou, argumentando que pensava se tratar de um bandido.

A Polícia Civil e a Associação dos Delegados de Polícia de Mato Grosso do Sul (Adepol-MS) saíram em defesa de Adriano, sem relatar a versão da motorista.

Mesmo assim, com o nome envolvido em dois escândalos nos últimos três meses, já que ele se envolveu em uma discussão com uma colega delegada e era investigado em Processo Disciplinar, Geraldo alegou "problemas de cunho familiar e pessoal" e pediu demissão nesta sexta-feira (18).

Siga o Jornal O Republicano nas redes sociais:

Facebook: O Republicano | Facebook

Twitter: @_ORepublicano

Instagram: @_ORepublicano

Mostrar comentários