Israel declara apoio à Ucrânia e Rússia revida: "Não reconhecemos as Colinas de Golã e Jerusalém territórios judeus"

O vice-embaixador da Rússia, Dmitry Polyanskiy, afirmou, nesta quarta-feira (23), durante o Conselho de Segurança da ONU que discutia o conflito israelo-palestino, que as Colinas de Golã e Jerusalém não pertencem a Israel.

A reunião debatia também a recente guerra que o Kremlin declarou ao país vizinho, a Ucrânia, e muitas nações opinavam sobre o conflito e censuravam a postura do presidente Vladmir Putin, entre eles, Israel, que quebrou a tradicional neutralidade e resolveu expor

o que pensava sobre o assunto. Indignado, o vice-embaixador russo lembrou ao governo israelita que eles também sobrevivem há disputas há séculos e que, em caso de confronto, estão com a Síria.

- A Rússia não reconhece a soberania de israel sobre as Colinas de Golã e Jerusalém, que fazem parte da Síria - destacou Polyanskiy.

As Colinas de Golã são citadas no Antigo Testamento e motivo de luta entre Israel e os povos árabes que também viveram na Região. Após muitas idas e vindas, desde 1981, o governo israelense conseguiu manter o território sobre sua administração, mas nem todos os países reconhecem o direito à terra.

Jerusalém é a Sagrada cidade para os cristãos. Conhecida na Bíblia por ter sido mencionada por Jesus, nos relatos do Novo Testamento. Também já esteve sob domínio muçulmano e já foi declarada pelo islamismo como o terceiro lugar mais importante para eles. Ao mesmo tempo, para os judeus, ela é de grande relevância. É lá que estão o Muro das Lamentações e tudo o que restou do histórico Templo de Salomão.

Siga o Jornal O Republicano nas redes sociais:

Facebook: O Republicano | Facebook

Twitter: @_ORepublicano

Instagram: @_ORepublicano

Mostrar comentários