“Foi uma das melhores coisas que aconteceu”, afirma Mike Tyson a respeito da morte da mãe

Conhecido, não apenas pelos poderosos golpes dentro do ringue e lutas marcantes, mas também por polêmicas. Desta vez, o ex-pugilista, Mike Tyson, 55, causou ao comentar no podcast Club Shay Shay sobre a morte da pópria mãe. A fatalidade ocorreu quando o atleta tinha apenas 16 anos, mas, apesar da ausência da figura materna, Mike afirma que essa foi a melhor coisa que lhe aconteceu.

- Uma das melhores coisas que já aconteceu comigo foi minha mãe ter morrido. Minha mãe teria me mimado. De jeito nenhum, eu teria entrado em uma briga de rua. De jeito nenhum, eu teria aprendido a me defender - explica.

O pai do jovem também era ausente e quem se responsabilizou pelo futuro boxeador de sucesso foi o seu treinador Cus D’Amato.

- Sempre me disse (que eu poderia ser ótimo). Ele me deu a confiança - contou.

Sendo assim, aos 20 anos virou campeão mundial, apenas quatro anos depois que sua mãe, Lorna Tyson, havia falecido devido a um câncer.

Todavia, antes mesmo de sua mãe falecer, Tyson já havia sido detido 38 vezes pela polícia, em virtude de confusões e da adesão a gangues locais de seu bairro, o Brooklyn.

- Eu nunca vi minha mãe feliz comigo e orgulhosa de mim por fazer algo. Ela só me conhecia como um garoto selvagem correndo pelas ruas, voltando para casa com roupas novas que ela sabia que eu não pagava. Eu nunca tive a chance de falar com ela ou saber sobre ela. Profissionalmente, não tem efeito, mas é esmagador emocionalmente e pessoalmente - contou Tyson.

Siga o Jornal O Republicano nas redes sociais:

Facebook: O Republicano | Facebook

Twitter: @_ORepublicano

Instagram: @_ORepublicano

Mostrar comentários