VÍDEO: "Parecia um acerto, uma esperança, depois acabou sendo uma grande decepção", diz diretor da Abin sobre Moro

O diretor-geral da Agência Brasileira de Inteligência (ABIN), o delegado da Polícia Federal, Alexandre Ramagem, em entrevista para um canal policial, desabafou sobre a postura do ex-ministro da Justiça, Sérgio Moro, no cargo.

O ex-juiz federal rompeu relacionamento com o presidente Jair Bolsonaro (PL), em abril de 2020, no início da pandemia da Covid-19. Ao pedir demissão, Moro disse que o chefe do Planalto queria interferir na condução da PF para, supostamente, obter favores. Nenhuma acusação, no entanto, ficou comprovada. Mas, Ramagem, que era o diretor da Polícia Federal na época, foi retirado do posto por determinação do ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF).

Após dois anos do ocorrido, Ramagem desabafou sobre a passagem-relâmpago do ex-juiz no Governo Bolsonaro e não poupou críticas.

- O Moro, no Ministério da Justiça, primeiro, parecia um grande acerto, uma grande esperança. Depois, acabou sendo uma grande decepção. Depois, o que se viu foi uma grande traição, uma deliberada traição e não uma traição pro presidente, mas uma traição à sociedade, ao Brasil - avaliou.
- (Quando) O Moro foi escolhido (para o cargo), o presidente já era eleito. Então, o Moro já sabia das bandeiras do presidente: direita, conservador, linha patriota, família, armamentista, liberalismo... Tava tudo ali do presidente! - completou.
- O presidente quis botar o Moro porque seria a nossa segurança de um grande nome ali, que traria austeridade no combate à corrupção - explicou.

Assista:

Siga o Jornal O Republicano nas redes sociais:

Facebook: O Republicano | Facebook

Twitter: @_ORepublicano

Instagram: @_ORepublicano

Mostrar comentários