Mendigo agredido por personal trainer dá sua versão do episódio e ganha a simpatia até de famosos

Givaldo Alves, de 48 anos, o morador de rua do Distrito Federal que foi flagrado fazendo sexo com a mulher de um personal trainer, "quebrou" a web, nesta quinta-feira (24), ao dar sua versão sobre o caso e também fazer uma defesa do presidente Jair Bolsonaro (PL) a quem agradeceu pelos serviços humanitários prestados aos que vivem nas ruas.

Givaldo contou que ficou surpreso quando a moça o convidou para "namorar com ele". O morador de rua respondeu a ela que não tinha tomado banho e que não tinha dinheiro para levá-la em um hotel, mas a mulher do personal trainer rebateu dizendo que "podia ser no carro".

- Eu andava pela rua e ouvi um grito: “moço, moço”. (…) Olhei para trás e só tinha eu. (…) E ela confirmou comigo dizendo: “Quer namorar comigo?”. (…) “Moça, eu não tenho dinheiro, sou morador de rua. Não tenho dinheiro nem para te levar ao hotel”. Então, ela disse: “Pode ser no meu carro" - contou.

Ao serem flagrados juntos, o personal trainer Eduardo Alves, de 32 anos, bateu tanto no mendigo que lhe causou um edema no olho e uma costela quebrada. Mas, Givaldo disse ter ficado feliz quando soube que o local em que estava era cheio de câmeras de segurança que comprovam que ele não estuprou a mulher.

- Deus me colocou em um lugar cercado por câmeras que comprovam não ter havido nada disso (estupro). Se fosse outro morador de rua, possivelmente já estaria preso - afirmou.

Após a entrevista de Givaldo Alves ser publicada pelo portal Metrópoles, até o comentarista político Rodrigo Constantino resolveu dar uma declaração sobre o caso nas redes sociais.

- O mendigo garanhão tem mais discernimento que 99% dos jornalistas - debochou o contratado da Jovem Pan, ao tomar conhecimento de que Givaldo era eleitor de Bolsonaro.

Siga o Jornal O Republicano nas redes sociais:

Facebook: O Republicano | Facebook

Twitter: @_ORepublicano

Instagram: @_ORepublicano

Mostrar comentários