Urgência para tramitação do PL das Fake News é barrada na Câmara

Foi por pouco, mas o PL das Fake News quase teve um pedido de urgência aprovado na Câmara. Porém, a oposição não conseguiu atingir o mínimo de 257 votos e o projeto foi barrado.

Em ano de eleição e com os candidatos utilizando as redes sociais, veículos de comunicação e aplicativos de mensagens a todo vapor, parte dos deputados queria que a internet fosse restringida e tinham pressa; já que o pleito será em outubro e as campanhas iniciam em agosto. Porém, os parlamentares parece que tinham desconfianças quanto ao novo método.

Assim, apenas 249 votaram a favor do regimento e 207 foram contra.

Orlando Silva, do PCdoB, era o relator da proposta. Ele até tentou congregar os deputados em torno de si. Entretanto, disputar com o presidente da Casa, Arthur Lira (PP-AL), não é uma boa ideia. Lira é articulado, costuma manter a palavra e tem muitos amigos na Câmara. Não deu outra: conseguiu convencer os deputados a votar contra o PL na última 

hora.

O plenário da Casa ainda pode voltar a pedir urgência no caso e, se aprovado o texto de Orlando Silva, Facebook, Twitter, Instagram, WhatsApp e Telegram  serão obrigados a ter escritório no Brasil para responder à Justiça, sempre que necessário, por supostos conteúdos falsos divulgados na plataforma.

É o começo do fim da liberdade no Brasil.

Siga o Jornal O Republicano nas redes sociais:

Facebook: O Republicano | Facebook

Twitter: @_ORepublicano

Instagram: @_ORepublicano

Mostrar comentários