Bolsonaro pretende fechar acordo com TSE para que contagem dos votos não fique centralizada na Corte

O presidente Jair Bolsonaro (PL) contou, em live desta quinta-feira (14), o que planeja fazer para que a contagem dos votos seja a mais fiel possível durante as eleições deste ano.

Depois que o Congresso rejeitou a impressão do voto eletrônico, o presidente pediu para as Forças Armadas atuarem como mediadoras e avalistas do processo eleitoral no Brasil.

O Departamento Cibernético das Forças, inclusive, chegou a encaminhar para a Corte Eleitoral um documento resumindo as fragilidades do sistema eleitoral. Mas, ainda assim, o TSE afirma que as urnas eletrônicas são confiáveis.

Por causa do impasse, o presidente quer fazer duas alterações antes do pleito de outubro:

1) Que a apuração será descentralizada do TSE passando também pelos Tribunais Regionais Eleitorais (TRE). Assim, seria evitado um controle único na contabilização dos votos;

2) Que a tal "sala secreta” continue em vigor, porém, com a presença das Forças Armadas e outras instituições que acompanharão a contagem do pleito.

Siga o Jornal O Republicano nas redes sociais:

Facebook: O Republicano | Facebook

Twitter: @_ORepublicano

Instagram: @_ORepublicano

Mostrar comentários