"Mundo não sobrevive sem agricultura brasileira", afirma diretora da OMC

Ngozi Okonjo-Iweala, diretora da Organização Mundial do Comércio (OMC), disse, em visita à Frente Parlamentar da Agropecuária, nesta segunda-feira (18), que está animada em conhecer as tecnologias utilizadas no Brasil e o que o Governo tem a dizer sobre a área ambiental.

- Eu sei que o mundo não sobrevive sem a agricultura brasileira. Precisamos pensar nos desafios futuros, não só do Brasil, mas do mundo todo - destacou.
- Estou animada sobre o que o Brasil tem a dizer sobre a área ambiental e as tecnologias produtivas com potencial de descarbonização - afirmou.

O Brasil tem lugar de destaque no mercado de alimentos mundial. Ele é o 4° maior exportador de Grãos, o maior exportador de carne bovina e responde pela metade de toda a soja comercializada no planeta. Em 2020, alcançou a segunda posição em exportação de milho.

De acordo com pesquisas feitas pela Embrapa, o Brasil alimenta de 1 a 1,5 bilhão de pessoas ao redor da Terra.

- Decidimos checar estes números, partindo da produção de grãos e oleaginosas do Brasil em relação à mundial - explica o pesquisador Elísio Contini.
- A hipótese é de que os grãos e as oleaginosas vêm sendo a base da alimentação humana, para o consumo direto das pessoas, alimentos processados ou como insumo para ração para a produção das principais carnes - conclui.

Siga o Jornal O Republicano nas redes sociais:

Facebook: O Republicano | Facebook

Twitter: @_ORepublicano

Instagram: @_ORepublicano

Mostrar comentários