Lula comenta sobre a possibilidade de ser vaiado e levar "ovada" nas ruas

Condenado pela Operação da Polícia Federal "Lava Jato" a mais de 9 anos de prisão por corrupção e lavagem de dinheiro, o ex-presidiário Luiz Inácio Lula da Silva (PT), que pretende se lançar candidato à presidência do Brasil, mas ainda não tem data agendada para o lançamento da chapa com Geraldo Alckmin, comentou recentemente sobre a possibildidade de ser vaiado nas ruas do Brasil.

A menos de 5 meses do pleito deste ano, os aliados de Lula acreditam que é improtante ele "se jogar" mais para o povo, aparecer nas ruas, no "corpo a corpo" que, por sinal, ele tem evitado. No Nordeste, que era o seu reduto eleitoral, ele foi vaiado na porta do hotel em que estava hospedado. A presidente nacional do partido, Glesi Hoffmann, foi tirar satisfações com os manifestantes e quase foi pro tapa. Ao final, até praia ele teve que fechar para poder tomar banho com a namorada sem ser incomodado.

Embora os brasileiros não estejam com ares muito amistosos para o petista, ele sonha em fazer viagens com Alckmin pelo Brasil a fim de "diminuir resistências" à sua candidatura e se aproximar de públicos religiosos que são a principal base de apoio do atual presidente Jair Bolsonaro (PL).

- Eu já fiz campanha em tantos lugares adversos, em tantos lugares desse país, que não tem lugar proibido pra fazer campanha. A única coisa que tenho que respeitar é que tem outros candidatos na disputa e em alguns lugares podem ter eleitores desses outros candidatos que poderão não gostar da nossa visita. Mas, isso faz parte da política. Eu estou realmente calejado para tratar dessas adversidades - contou, ao ser perguntado sobre a possibilidade de levar "ovada" e "chuva de tomates".

Siga o Jornal O Republicano nas redes sociais:

Facebook: O Republicano | Facebook

Twitter: @_ORepublicano

Instagram: @_ORepublicano

Mostrar comentários