Promotor é morto em lua-de-mel. Ele investigava o crime organizado

Marcelo Pecci, de 45 anos, era promotor de Justiça no Paraguai. Ele atuava em processos, geralmente, ligados ao crime organizado e ao PCC.

Pecci passava a lua-de-mel com a esposa, a jornalista Claudia Aguilera, na Ilha de Baru, na Colômbia.

Nesta terça-feira (10), eles estavam em uma praia privada pertencente ao próprio resort onde estavam hospedados, quando dois homens se aproximaram e atiraram duas vezes contra o promotor. A mulher não ficou ferida.

Pecci e Claudia haviam se casado, recentemente, e minutos antes do ocorrido, tinham publicado nas redes sociais que estavam à espera do primeiro filho.

Banhistas tentaram socorrê-lo, mas ele não resistiu aos ferimentos e faleceu.

O presidente do Paraguai, Marito Abdo Benítez, comentou no Twitter o caso.

- O assassinato covarde do promotor Marcelo Pecci na Colômbia enluta toda a nação paraguaia. Condenamos com veemência este trágico acontecimento e redobramos o nosso empenho na luta contra o crime organizado. Nossas sinceras condolências a seus familiares - escreveu na plataforma.

Pecci foi o coordenador de uma grande investigação do Ministério Público, que apurou o crime organizado no Paraguai, com laços envolvendo o terrorismo, tráfico internacional de drogas, lavagem de dinheiro e a venda de armas.

Siga o Jornal O Republicano nas redes sociais:

Facebook: O Republicano | Facebook

Twitter: @_ORepublicano

Instagram: @_ORepublicano

Mostrar comentários