Randolfe aciona TSE contra auditoria de urnas eletrônicas e pede o fim da Comissão de Transparência Eleitoral

O senador Randolfe Rodrigues, que meses atrás era o vice-presidente da CPI da Covid-19 e fiel opositor ao Governo de Jair Bolsonaro (PL), fez mais uma das suas e acionou o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) manifestando-se contra a auditoria privada proposta pelo Planalto para fiscalizar a lisura das eleições de 2022.

A proposta foi feita pelo presidente Bolsonaro depois que o TSE se negou a aplicar as sugestões propostas pelo departamento de cibernética das Forças Armadas. O "senador DPVAT", no entanto, alega que o presidente do PL, partido de Bolsonaro, já foi denunciado por corrupção 

- É de se questionar a real legitimidade do intento do Presidente da República de contratar uma auditoria particular, por meio de seu partido político, PL, para a conferência da regularidade do pleito eleitoral junto ao TSE. A ação será coordenada pelo presidente do PL, que, em 5 de dezembro de 2013, renunciou ao seu mandato de deputado federal após expedição de mandado de prisão - disse Randolfe, coordenador da campanha de Lula (PT), acusado pela "Lava Jato" de corrupção e lavagem de dinheiro.

O congressista também sugere o fim da Comissão de Transparência Eleitoral do TSE, trabalho que, à princípio, seria em conjunto com as Forças Armadas e Polícia Federal.

Siga o Jornal O Republicano nas redes sociais:

Facebook: O Republicano | Facebook

Twitter: @_ORepublicano

Instagram: @_ORepublicano

Mostrar comentários