Frias desmente declarações de Porchat: "Ignora fatos. Canalhice tremenda"

O ex-Secretário Especial de Cultura, Mário Frias, publicou post nas redes sociais desmentindo o humorista Fábio Porchat que, em entrevista ao Portal Metrópoles, alegou que as manifestações de ódio às obras do grupo "Porta dos Fundos" só ficaram mais intensas depois que o presidente Jair Bolsonaro (PL) assumiu o poder, em janeiro de 2019.

Citando o ataque sofrido na sede da empresa, o comediante disse que o ódio no Brasil aumentou consideravelmente depois que o conservador tomou posse do cargo.

- O que será que aconteceu de 2018 para 2019? O que mudou no Brasil? As pessoas estão mais violentas e mais agressivas. Todo mundo pode ter opiniões políticas divergentes, sempre foi assim. Mas, a gente não tinha isso lá atrás. Não tinha ódio nesse nível - diz o humorista, referindo-se às críticas que o seu especial de Natal teve em 2019 ao retratar Jesus Cristo, que é considerado Deus na religião cristã, como gay. 

Frias rebateu o comediante ateu e disse que sugerir um crescente ódio no Brasil a partir da posse do presidente Bolsonaro seria uma "canalhice tremenda"; já que, em 2018, quando ainda era candidato à presidência da República, foi vítima de uma tentativa de homicídio por um ex-militante do PSOL, partido de extrema-esquerda.

- A narrativa é sempre a mesma, mas parecem ignorar fatos bem relevantes, como por exemplo, a tentativa de assassinato de um candidato à presidência da República na eleição de 2018. Sugerir que, a partir do Governo Bolsonaro se instalou o “ódio” no país, é de uma canalhice tremenda - concluiu Frias.

Siga o Jornal O Republicano nas redes sociais:

Facebook: O Republicano | Facebook

Twitter: @_ORepublicano

Instagram: @_ORepublicano

Mostrar comentários