Sari Corte Real é condenada a quese nove anos por morte do menino Miguel

A Justiça de Pernambuco condenou, nesta terça-feira (31), Sari Corte Real, ex-patroa de Mirtes Santana, a 8 anos e 6 meses de prisão pela morte do menino Miguel Otávio Santana da Silva, de apenas 5 anos. 

A mãe do garoto trabalhava como empregada doméstica para Mirtes, em junho de 2020, quando saiu para levar o cachorro da patroa para passear e deixou a criança aos cuidados da patroa, que fazia as unhas na hora.

Sentindo a falta da mãe, Miguel pediu que Sari a ajudasse a encontrá-la. Sari, então, a contragosto, levou o menino até o elevador, apertou o botão do térreo e deixou que o garoto fosse atrás da mãe sozinho.

O elevador, porém, parou no 9º andar e, sem saber o que fazia direito, a criança despencou do prédio, morrendo em seguida.

O juiz do caso, José Renato Bizerra, da 1ª Vara dos Crimes contra a Criança e o Adolescente, determinou que Sari cumpra a pena em regime fechado, mas tem o direito de recorrer. 

Na sentença, o magistrado ainda destacou que A decisão considera ainda que “a conversão de pena privativa de liberdade em pena restritiva de direitos não é possível”.

A defesa de Sari, que é esposa do ex-prefeito de Tamandaré (PE), disse que só irá se pronunciar após tomar ciência da sentença condenatória e que irá recorrer da decisão.

Siga o Jornal O Republicano nas redes sociais:

Facebook: O Republicano | Facebook

Twitter: @_ORepublicano

Instagram: @_ORepublicano

Mostrar comentários