Após arquivar processo por falta de provas, MP-RJ quer reinicar ação contra Flávio Bolsonaro

Em maio, o Ministério Público do Rio de Janeiro decidiu arquivar o processo sobre "rachadinhas" contra o senador

Flávio Bolsonaro (PL) em virtude de falta de provas. A açõa ficou aberta por anos, mas não comprovou nada.

Agora, menos de um mês após a tomada de decisão, o MP-RJ quer retomar as investigações contra o congressista,

alegando que pretende "esclarecer eventuais omissões e contradições na decisão proferida anteriormente".

- O recurso tem por finalidade sanar omissões, obscuridades e contradições que possam eventualmente prejudicar o reinício das investigações - disse, em nota, ao portal de notícias UOL.

Questionada, a advogada de defesa de Flávio Bolsonaro, censurou a postura política do MP do Rio e qualificou o 

comportamento do órgão como "inadimissível".

- Mais uma vez, o Ministério Público ignora o sigilo imposto ao caso e fornece informações de processo sigiloso, constando, inclusive, teor de petição e nota sobre o tema. A defesa, mais uma vez, se insurge contra esse comportamento reiterado da chefia do MP e comunicará ao CNMP (Conselho Nacional do Ministério Público); uma vez que é inadmissível a postura de alguns membros do MPRJ - argumentou.

O advogado da Família Bolsonaro, Frederick Wassef, concordou com a colega e lembrou que o MPRJ já tinha 

julgado um habeas corpus de sua autoria.

- No acórdão proferido pelo STF, ficou provado que a organização criminosa que atua dentro do Coaf cometeu inúmeras ilegalidades e irregularidades contra Flávio Bolsonaro para, via fraude, tentarem incriminar o senador. Se tentarem reabrir nova investigação será, ilegal com claro interesse politico visando a campanha presidencial - afirmou Wassef.

O Procurado-Geral de Justiça, Luciano Mattos, também se surpreendeu com nova ordem de investigação.

- Não há óbice legal à renovação das investigações, inclusive no que diz respeito à geração de novos RIFs, de novo requerimento de afastamento do sigilo fiscal e bancário dos alvos - concluiu.

Siga o Jornal O Republicano nas redes sociais:

Facebook: O Republicano | Facebook

Twitter: @_ORepublicano

Instagram: @_ORepublicano

Mostrar comentários