Embora acionista majoritário, Governo Federal não tem como interferir nos preços praticados pela Petrobras, afirma Sachsida

O Ministro de Minas e Energia, Adolfo Sachsida, comentou, nesta terça-feira (21), sobre a longa briga que o Governo do presidente Jair Bolsonaro (PL) vem travando sobre a política de preços absurda que a Petrobras vem travando contra o consumidor brasileiro.

Na prática, o presidente tem tentado diminuir o valor de todas as formas possíveis e legais para o cidadão. Mas, do outro lado da corda estão acionistas, dirigentes e conselho administrativo da estatal, que lucram milhões a cada reajuste.

Eles, claro, não pretendem baixar um centavo o seu lucro, embora a Petrobras supere todas as outras petrolíferas no mundo em dividendos.

- Não está no controle do governo. (...) O preço é uma decisão da empresa, não do governo. Além disso, nós temos marcos legais que impedem a intervenção do governo numa empresa, mesmo o governo sendo acionista majoritário - desabafou.
- Não há como ajudar o consumidor brasileiro com a estrutura atual que a empresa tem, um enorme poder de mercado, de um lado hora ela é estatal, hora ela é privada - lamentou.

Bolsonaro já avisou: se conseguir a reeleição, a privatização da Petrobras será o primeiro ato que praticará no próximo mandato para alívio da nação; já que a empresa pública, aparentemente, só serve como cabide de emprego para partidos de esquerda.

Siga o Jornal O Republicano nas redes sociais:

Facebook: O Republicano | Facebook

Twitter: @_ORepublicano

Instagram: @_ORepublicano

Mostrar comentários