Atriz Klara Castanho confessa que sofreu estupro, deu à luz, mas optou por doar a criança

A ex-atriz da Rede Globo, Klara Castanho, veio às redes sociais confirmar que, recentemente, gerou um filho, fruto de um estupro e resolveu entregá-lo para adoção.

Klara contou como tudo ocorreu na internet.

Ela não estava em sua cidade natal quando sofreu o abuso. Não estava perto de sua família e amigos.

Ela preferiu não entrar em detalhes sobre quem a estuprou e as circunstâncias porque ainda está fazendo tratamento psicológico para superar o trauma, já que ela está sofrendo de depressão e perda de sono.

A artista de 21 anos disse que, após o estupro, preferiu nao contar a ninguém sobre o ocorrido nem denunciar o caso à polícia para não chegar em conhecimento do público. Mas, ela começou a se sentir mal e foi ao médico, meses depois, realizar uma tumografia e foi quando descobriu a gravidez.

O parto aconteceu dias depois e, desnorteada com a possibilidade de gerar e ter que amar um filho que ela não esperava, ela optou por doar e, aí, os problemas começaram.

Ela acredita que os próprios funcionários do hospital em que realizou a operação ligaram para a imprensa porque dois colunistas a interceptaram imediatamente. Ela contou a eles o que tinha ocorrido e eles prometeram não publicar nadar.

Por fim, o caso veio meio a público e a jovem se pronunciou em longa carta nas redes sociais, confirmando que deu a criança para a adoação e que a legislação a amparava que o procedimento fosse totalmente sigiloso, mas não foi o que ocorreu.

- Eu ainda estava tentando juntar os cacos, quando tive que lidar com a informação de ter um bebê, fruto de uma violência que me destruiu como mulher (...) Passei por todos os trâmites: psicóloga, Ministério Público, juíza, audiência... Um processo que, pela propria lei, garante sigilo para mim e para a criança - escreveu em uma carta aberta na web.
- (...) Ainda estava sob efeito de asnestesia quando o colunista me ligou. Um outro colunista também me procurou. (...) Os profissionais que deveriam ter me protegido não foram éticos e nem tiveram respeito por mim e pela criança - destacou.

Por fim, a atriz finaliza que entregar a criança para a adoção foi um "ato de cuidado", já que ela não tinha "condições emocionais" de educá-la e finalizou pedindo aos internautas "compreensão e privacidade que o momento exige".

Siga o Jornal O Republicano nas redes sociais:

Facebook: O Republicano | Facebook

Twitter: @_ORepublicano

Instagram: @_ORepublicano

Mostrar comentários