Igreja evangélica no ES sofre ataques por divulgar outdoor contra ativismo LGBT

A Primeira Igreja Batista em Aracruz (Pibara), no Espírito Santo, que possui uma escola na mesma unidade, resolveu instalar um outdoor nas dependências da instituição; depois que os pais de alunos qustionaram como fariam para libertar os filhos da influência do ativismo LGBTQIA+.

Sem medo de represálias, o pastor da comunidade, Luciano Estevam Gomes, divulgou a mensagem de que a Bíblia é a única proteção contra a agenda LGBT e foi, imediatamente, criticado nas redes sociais.

Ativistas gays foram rapidamente para as redes sociais pedir o "cancelamento" da igreja, ameaçando ingressar com uma medida junto ao Ministério Público Estadual para que a mensagem seja retirada e o pastor condenado; ainda que o outdoor esteja em propriedade privada.

- Em um país tão homofóbico como o Brasil, essa conduta acaba destilando ódio conta a comunidade e, segundo o Supremo Tribunal Federal (STF), é crime - disse um advogado de 26 anos, que não quis ser identificado.

O pastor Estevam Gomes se manifestou sobre o caso nesta segunda-feira (11) e disse que a mensagem publicada "não tem nada a ver com a homoafetividade", mas é claramente "contra os ataques à família, igreja e a escola".

- A mensagem do outdoor da Pibara é clara: A Bíblia é a única proteção contra o ativismo LGBTQIA+. Não tem nada a ver com os homoafetivos, a quem nós consideramos e amamos. Mas, eles também deviam lutar com os seus líderes para pararem os ataques contra a família, a igreja e a escola - explicou o sacerdote.
- Nas últimas marchas LGBTQIA+, foram feitos abusos, queimando Bíblia, rasgando Bíblia, interpretando o aborto de Jesus Cristo e diversas outras atrocidades. Então, não há nada contra os homoafetivos, e sim, contra o ativismo - acrescentou.
- Os pais ficam apavorados e procuram nós, líderes religiosos. Então, a Bíblia é a única proteção contra os ataques dos ativistas - finalizou.

A Pibara é conhecida por não se calar com relação a temas polêmicos ou "censurados". Em agosto de 2020, a comunidade evangélica instalou outra mensagem com conteúdo para o Dia dos Pais e foi barbaramente criticada também pela comunidade gay. Naquele ano, a agenda LGBT afirmava que os homens trans devem ser considerados pais e o outdoor exposto no templo dizia o contrário.

- Não é natural colocar uma mulher como símbolo do Dia dos Pais, quando a Bíblia afirma ser o homem. Então, HOMENS, Feliz Dia dos Pais - encerrou o debate a igreja.

Siga o Jornal O Republicano nas redes sociais:

Facebook: O Republicano | Facebook

Twitter: @_ORepublicano

Instagram: @_ORepublicano

Mostrar comentários