Racha: Fachin nega pedido para suspender convenção do MDB que indicará Tebet ao Planalto

O presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), Edson Fachin, negou, nesta terça-feira (26), pedido de uma parte do MDB que pretendia evitar que a convenção do partido fosse realizada nesta quarta-feira (27).

O encontro dos emedebistas pretende lançar a senadora Simone Tebet como candidata oficial da legenda na disputa pela presidência do Brasil este ano. Porém, nem todos os filiados concordam com a indicação da congressista. Assim, o delegado da sigla, Hugo Wanderley Caju, alegou problemas de sigilo com a plataforma Zoom e tentou evitar a votação.

Fachin, no entanto, indeferiu o pedido e disse que a plataforma garante, sim, o sigilo dos votos.

- Inicialmente, cumpre anotar que o ato convocatório não se revela, neste juízo perfunctório, eivado de nulidade porque contempla regra expressa que assegura o sigilo dos votos, por meio de sistema a ser utilizado para a realização da reunião - escreveu na decisão, acrescentando que o parlamentar não apresentou prova "minimamente robusta".

O senador Renan Calheiros (MDB-AL), muito amigo do ex-presidiário Lula (PT), estaria por trás do pedido de suspensão porque convenceu parte da bancada emedebista a apoiar a candidatura do petista; ao invés de lançar nome próprio ao Planalto.

Siga o Jornal O Republicano nas redes sociais:

Facebook: O Republicano | Facebook

Twitter: @_ORepublicano

Instagram: @_ORepublicano

Mostrar comentários