Sem provas contra os acusados, Moraes arquiva inquérito dos atos antidemocráticos no STF. Mas, abre outro sobre organização criminosa

A Procuradoria-Geral da República mandou e o ministro do Supremo Tribunal Federal, Alexandre de Moraes, foi obrigado a cumprir a decisão de encerrar o inquérito sobre os supostos atos antidemocráticos por falta de provas, nesta quinta-feira (1). A Polícia Federal já havia encaminhado relatório há meses para ele, informando que nada foi encontrado sobre os acusados. Diante disso, a PGR determinou o encerramento do caso.

Mas, apesar de ter cumprido a decisão da Procuradoria, Moraes criou outro inquérito para continuar “investigando” os tais atos antidemocráticos. O ministro acredita que tem "fortes indícios e significativas provas apontando a existência de uma verdadeira organização criminosa, de forte atuação digital e com núcleos de produção, publicação, financiamento e político absolutamente semelhante àqueles identificados no Inquérito 4.781, com a nítida finalidade de atentar contra a Democracia e o Estado de Direito".

Mesmo criando outro inquérito idêntico ao que a PGR mandou encerrar, Moraes alega que a abertura de uma nova frente de apuração não fere os poderes do Ministério Público e se baseia em "fortes indícios" reunidos ao longo das investigações .

- O foco desse grupo seria a exclusão dos Poderes Legislativo e Judiciário na tríade do sistema de freios e contrapesos da Constituição, ora atacando seus integrantes, especialmente, no caso do Congresso Nacional, dos Presidentes da Câmara dos Deputados e do Senado Federal, e dos ministros do Supremo Tribunal Federal, ora pregando a própria desnecessidade de tais instituições estruturais da Democracia brasileira - sustenta.

O inquérito finalizado, segundo Moraes, apontava para Bia Kicis, Eduardo Bolsonaro, Alland dos Santos, Paulo Eduardo Martins, Daniel Lúcio da Silveira, Carolina de Toni, o Ten-Cel. Mauro Cesar Cid, entre outros.

A Polícia Federal, por mais de uma vez, explicou ao ministro que nada foi encontrado contra os onze acusados.

Siga o Jornal O Republicano nas redes sociais:

Facebook: O Republicano | Facebook

Twitter: @_ORepublicano

Instagram: @_ORepublicano

Mostrar comentários