Médico morador dos EUA é preso por suspeita de mandar matar presidente do Haiti

A Polícia Nacional do Haiti anunciou, neste domingo (11), a prisão de um médico residente nos Estados Unidos considerado como o “suspeito-chave” do assassinato do presidente do país, Jovenel Möise, na quarta-feira (7).

O chefe da polícia local, León Charles, afirmou que Christian Emmanuel Sanon, de 63 anos, pretendia assumir o cargo de presidente diante do estado frágil da política no país, que se encontra em guerra civil. Mas, as investigações ainda não apontaram como o médico pretendia tornar-se o homem mais poderoso do país.

Outras 12 pessoas também foram presas por envolvimento no crime. Dois eram norte-americanos e os outros 15 eram colombianos.

O primeiro-ministro do país, Claude Joseph, declarou estado de sítio e pediu ajuda aos Estados Unidos para garantir a paz no Haiti. Mas, o presidente americano, Joe Biden, até o momento, enviou apenas uma equipe de investigadores ao local.

A primeira-dama, Martine Möise, também ferida no ataque, sobreviveu ao atentado.

Siga o Jornal O Republicano nas redes sociais:

Facebook: O Republicano | Facebook

Twitter: @_ORepublicano

Instagram: @_ORepublicano

Mostrar comentários